15 de abril de 2015

Carta ao Ministro da Saúde - Paulo Macedo

"Exmo. Ministro da Saúde, Paulo Macedo,

O meu nome é Gil Figueiredo, sou enfermeiro e um dos milhares que trabalham no Reino Unido.

Permita-me que o trate por Paulo, porque me habituei a trabalhar num país onde todos se tratam pelo nome, independentemente das qualificações ou do cargo que ocupam. Não me parece correto que o trate por Doutor, porque tanto quanto sei nem é médico, nem possui nenhum Doutoramento no seu percurso académico, por favor corrija-me se estou errado!

Ontem tive oportunidade de ver a reportagem que a TVI fez nas urgências hospitalares de alguns dos nossos hospitais! Paulo, estou chocado! E chocado é provavelmente a melhor palavra e a mais educada que eu consigo encontrar neste momento.

Tenho que congratular a TVI pelo trabalho que fez, pela coragem de mostrar o que tantos ocultam diariamente.

Não Paulo, não é um pico de gripe, porque esse pico já vai longe... este é o pico das dificuldades que a população esta a passar.
As dificuldades económicas refletem-se na saúde das populações, desnutrição, desidratação, frio, más condições de higiene, não toma da medicação, etc... são tudo fatores que se agravam com o agravamento das condições económicas!

Por falta de recursos, pela cada vez maior distância que separa as populações dos hospitais, temos um atraso no acesso aos cuidados de saúde, pelo que mesmo que o número de utentes seja o mesmo de outros anos, o seu estado de saúde exige mais tempo e mais recursos.
Há quem diga que estamos a caminhar para um país de 3º mundo, eu afirmo com toda a certeza que já atingimos esse estatuto há muito tempo!
Ao longo do seu mandato assistimos a uma tal degradação do Sistema Nacional de Saúde, como não há memória!

Ontem falou-se numa pequena cidade, no Norte do país da qual sou natural, estou a falar de Chaves. Talvez o Paulo não saiba muito sobre o Hospital de Chaves, afinal de contas é um hospital pequeno no interior (e o interior só conta em anos de eleições), mas eu vou-lhe dar algumas informações acerca do hospital onde nasci e para isso vou usar algumas frases de um artigo que escrevi a 30 de Abril de 2012 e que se aplica mais do que nunca aos dias hoje.

O Hospital de Chaves, “Súbdito” de sua majestade o Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro e de seus Administradores, a cada dia que passa, está mais limitado na prestação de cuidados de saúde. Escrevia eu em 2012 que "...a manter-se esta politica o Hospital de Chaves está “pela hora da morte”". É um facto...

Aos habitantes do Alto Tâmega só lhes resta rezar para terem saúde, ou viver com o “coração nas mãos”, visto que as especialidades do nosso hospital tendem a “evaporar-se” e pousar em Vila Real que dista cerca de 60 km de Chaves, e para ajudar à festa, temos as portagens mais caras do país! E sabe Paulo, 60-70 km até nem é muito, e temos autoestrada, o que em ambulância em marcha de urgência é possível que se faça em cerca de 40 minutos, talvez menos. Mas é preciso que alguém se lembre que o hospital de Chaves serve de referência a Chaves, Valpaços, Mirandela, e Montalegre. Façamos então um raciocínio rápido, alguém de Montalegre que precise de tratamento especializado, terá que ser transferido para Vila Real, ou seja, se for direto de Montalegre para Vila Real são 92 km, o que dificilmente alguma ambulância fará em menos de 60-70 minutos. Parece-me tempo a mais quando todos os segundos contam!


Em 2010/2011 eu fazia estágio na urgência do Hospital de Chaves, como eu gostava de lá estagiar! Foi lá que aprendi muitas das bases daquilo que hoje sou... eu e tantos outros. E era um prazer levantar de manhã e ir trabalhar, não era fácil, mas era com gosto! E sim Paulo, estou a falar do mesmo hospital que ontem foi retratado como um dos hospitais "com piores condições do país", aquele que ontem, nas imagens parecia um hospital de campanha no meio de uma guerra! E nesse cenário trabalham os mesmos profissionais, aqueles com quem aprendi... e que grande orgulho nesses profissionais, esses que conheço pessoalmente e sei quão bons eles são, profissionais com anos e anos de experiencia, com conhecimentos inesgotáveis. Mas esses estão cansados, estão exaustos mental e fisicamente, porque muitos deles têm centenas de horas positivas, trabalham sem material, sem condições... resta-lhes o dever para com a profissão que escolheram, o dever para com todos aqueles que necessitam de cuidados. Esse mesmo dever que muitos políticos não sabem o que é! Já agora Paulo, quantas horas positivas é que tem no ministério da saúde?!

Antes era a sobrecarga dos Enfermeiros e poucos se importavam, mas agora a sobrecarga é geral, dos Médicos aos Auxiliares, os Técnicos, está tudo farto, está tudo a rebentar pelas costuras!

Dizia o Bastonário da Ordem dos Médicos que "trabalhar cansado é como estar alcoolizado", e isso de trabalhar cansado até poderia ser compatível com algumas profissões (estou-me a lembrar de políticos por exemplo) já que não lidam com escolhas de segundos que podem ditar a vida ou a morte (lidam com escolhas que ditam o futuro, ou o viver bem ou viver mal da sociedade... mas isso são pormenores), mas esses não me parece que sofram do mal do trabalho árduo!

Não espero que o Paulo me responda, até porque deve receber cartas destas todos os dias, e acredito que tem mais que fazer, mas imagino que se alguma vez lê-se esta carta pensaria, mas afinal, tu que estás no Reino Unido, que tens 3 anos de experiência e és um garoto nisto da saúde, que tens à tua disposição o NHS que é um dos melhores sistemas de saúde do mundo e totalmente gratuito, queixas-te de quê? Que diferença te faz que as coisas em Portugal estejam bem ou mal?
Pois é Paulo, sabe que não estou preocupado por mim, porque de facto estou bem, tenho saúde, sinto-me seguro aqui, sinto que dificilmente vou ter que passar pelo "tormento" que muitos passam nos Serviço de Urgência em Portugal. Mas eu tenho um Pai e tenho uma Mãe, e a saúde já não abunda neles, e eles estão em Portugal, eles estão em Chaves, e quando precisam têm que ir ao "hospital de campanha" que vi ontem nas imagens... porque não têm outra escolha. Não são ricos nem têm seguro para ir ao privado, porque não há hospitais privados naquela zona e porque é um direito deles terem acesso a cuidados de saúde dignos. Também é de dignidade que aqui se fala, pergunto eu, que tipo de dignidade e privacidade tem um doente que está "amontoado" naquelas salas que mais parecem valas comuns?

Como o Paulo já percebeu eu não tenho problemas em falar e sabe porquê? Porque não estou comprometido, nem dependo de "tachos" ou "cunhas" para trabalhar... aqui trabalha-se por mérito e competência, duas palavras que em Portugal dizem pouco, principalmente a quem ocupa altos cargos, se é que me faço entender!

Acho que vocês, os que governam o nosso país são uns sortudos, sabe porquê? Porque o povo português é conformista, é pacífico, já dizia Sá Carneiro  Somos um povo conformista... Vamos aceitando tudo e procurando no verbalismo dos colóquios a paz da boa consciência...”. 
E como amanhã até há liga dos campeões, toda a gente esquece isso rápido.Mas a corda vai rebentar por algum lado e ou muito me engano ou não vai ser bonito de se ver! Já agora, agradecia que dissesse à sua colega ministra das finanças, que mesmo havendo dinheiro nos cofres, que não diga nada, porque se há dinheiro e esse não está a ser usado em prol da população alguma coisa está muito mal! E ao seu secretário de estado que veio hoje dizer que aquilo que se viu na reportagem foram "pessoas bem instaladas" que tenha vergonha na cara e o mínimo de respeito por essas pessoas. Porque bem instalado fica ele quando vai em viagens de "trabalho" e não dorme em macas!  Só entendo essas palavras se o Secretário de Estado trabalhou horas a mais e como foi referido anteriormente, segundo o Bastonário da Ordem dos Médicos) isso pode afetar alguns dos nossos sentidos!
Não me vou alargar muito mais porque não me parece que valha muito a pena.

Sinto que tinha que lhe escrever esta carta, não porque eu ache que a culpa é toda sua, certamente que não é... é minha, minha e muitos milhares de portugueses que votaram em si!

Resta-me mais uma vez dar os parabéns à TVI pela coragem, e a todos aqueles meus colegas e profissionais de saúde em Portugal, dizer-lhes Obrigado, demonstrando o meu orgulho e respeito por todos os que trabalham e dão tudo de si, de forma a que, mesmo com as condições miseráveis que lhe são oferecidas, o utente tenha acesso a algum tipo de cuidados. Eles sim, são heróis!

Para terminar queria-lhe pedir que no caso de querer muito responder faça-o por email, o papel e a tinta estão caros e o selo para o Reino Unido também, e com o que poupa nisso compre desinfetante para as mãos, ouvi dizer que alguns hospitais estão a precisar!!

Sem mais assunto, despeço-me agradecendo a atenção dispensada.


Com os melhores cumprimentos,

Gil Figueiredo

14 de Abril de 2015
Great Yarmouth, Reino Unido


Link da Reportagem TVI:http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/reportagem/reporter-tvi-na-integra-caos-nas-urgencias-mesmo-depois-da-gripe
http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/reportagem/reporter-tvi-na-integra-caos-nas-urgencias-mesmo-depois-da-gripe "

Acho que não são precisas mais palavras!
Vergonha é o que sinto do meu país e das pessoas que  governam.

2 comentários:

  1. Muito bom! Realmente destas coisas só no nosso país!
    Já estamos a seguir o teu blog , claro! Passa no nosso e diz o que achas-te , beijinhos
    hashtagwwgu.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. E ainda há quem fique chocado quando alguém diz "tenho vergonha de ser português/sa", eu cá tenho e cada vez mais.

    ResponderEliminar