9 de outubro de 2013

Até que a morte não nos separe...


Esta é daquelas notícias que não queremos ler.
Mas que mostra a realidade que o nosso país atravessa.
A solidão que mata!
E a notícia está escrita de uma forma fantástica, sem nunca tender para o sensacionalismo.
E é por isso que merece ser lida. 

"Quando a polícia entrou no apartamento, havia já 18 dias que o casal estaria morto na cama. Tudo indica que terão premeditado o fim a dois
Nenhum sinal de vida. Corpos: escuros, com presença de larvas, sombras alienígenas do que terão sido. Hora e causa do óbito: por apurar. Quando a polícia e os bombeiros entraram finalmente no apartamento e encontraram os corpos na cama, a filha de Manuela, de que ninguém sabe o nome, trancou-se no carro, enorme nos seus remorsos e culpa, e dali não saiu. Do outro lado da rua, Sandra e Paulo, que tinham passado dias e dias a ligar para a PSP a pedir socorro, mal viram um agente vir na sua direcção tiveram a certeza: "Eles estão mortos."
Manuela e Ludgero Matias, ela com pouco mais de 60 anos, ele já nos 70, tinham sido vistos pela última vez havia 18 dias. Nesse sábado, ao fim da manhã, Manuela chegou ao café da esquina com um novo corte e uma nova cor de cabelo, mais avermelhada, mas desta vez pouco falou. A Sandra e Paulo pediu apenas que cuidassem do Dusty, o seu pequeno cão branco arraçado de minitoy, até quarta-feira, data em que ela e o marido regressariam de uns dias em casa do irmão. Entregou-lhes um saco, passou a trela para a mão de Paulo e abalou sem uma festa no cachorro. Os dois entreolharam--se: "Então mas não nos pergunta se podemos ficar com o cão?" E outra vez, com Manuela já fora do ângulo de visão: "Que estranho. O Ludgero não sai de casa há anos, nunca quer sair." A surpresa adensou-se ainda mais quando chegaram a casa e abriram o saco: lá dentro estavam todas as malhas e roupas de Inverno que Manuela comprara para proteger o Dusty do frio. Mas porquê, se naqueles dias de Setembro o calor ainda nem dera tréguas? "O melhor", incentivou Paulo, "é ires lá a casa, Sandra, ver se está tudo bem.""

Notícia completa aqui. 

3 comentários:

  1. Sim, é triste ler uma notícia destas. Revela bem a realidade que se vive e que muitas pessoas ignoram.
    Obrigado por partilhares.

    ResponderEliminar
  2. Estas situações dão muito que pensar na precariedade com que vivem muitas pessoas neste país.

    ResponderEliminar
  3. existem infelizmente tantas situações destas no mundo e na maioria das vezes nem nos apercebemos:( arrepiante!! Beijinho grande Sónia, boa quinta feira!!!

    ResponderEliminar